terça-feira, 24 de janeiro de 2012

O mito de Lilith - A Lua negra

Lilith é conhecida como um demônio feminino da noite com origem na antiga Mesopotâmia. Era associada ao vento e, pensava-se, por isso, que ela era portadora de mal-estares, doenças e mesmo da morte, algumas vezes ela se utilizaria da água como uma espécie de portal para o seu mundo.

A imagem de Lilith, sob o nome Lilitu, apareceu primeiramente representando uma categoria de demônios ou espíritos de ventos e tormentas na Suméria por volta de 3000 A.C.
Lilith é também referida na Cabala como a primeira mulher do bíblico Adão, sendo que em uma passagem  ela é acusada de ser a serpente que levou Eva a comer o fruto proibido. No folclore popular hebreu medieval, ela é tida como a primeira esposa deAdão, que o abandonou, partindo do Jardim do Éden por causa de uma disputa, vindo a tornar-se a mãe dos demônios. De acordo com certas interpretações da criação humana em Gênesis, no Antigo Testamento, reconhecendo que havia sido criada por Deus com a mesma matéria prima, Lilith rebelou-se, recusou-se a ficar sempre em baixo durante as suas relações sexuais. Na modernidade, isso levou a popularização da noção de que Lilith foi a primeira mulher a rebelar-se contra o sistema patriarcal.
Na Suméria e na Babilônia ela ao mesmo tempo em que era cultuada era identificada com os demônios e espíritos malignos. Seu símbolo era a lua, pois assim como a lua ela seria uma deusa de fases boas e ruins. Alguns estudiosos a assimilam a várias deusas da fertilidade, assim como deusas cruéis devido ao sincretismo com outras culturas. No fictício Livro de Nod, é também conhecida como Deusa da Lua, aquela que ensina Caim habilidades  vampirescas, a que é tão antiga quanto o próprio Deus criador do céu e da terra.
A imagem mais conhecida que temos dela é a imagem que nos foi dada pela cultura hebraica, uma vez que esse povo foi aprisionado e reduzido à servidão na Babilônia, onde Lilith era cultuada, é bem provável que viam Lilith como um símbolo de algo negativo. Vemos assim a transformação de Lilith no modelo hebraico de demônio. Assim surgiu as lendas vampíricas, Lilith tinha 100 filhos por dia, súcubus quando mulheres e íncubus quando homens, ou simplismente lilims. Eles se alimentavam da energia desprendida no ato sexual e de sangue humano, também podiam manipular os sonhos humanos. Mas uma vez possuído por um súcubus dificilmente um homem saía com vida.
Algumas vezes Lilith é associada com a deusa grega Hécate, "A mulher escarlate", um demônio que guarda as portas do inferno montada em um enorme cão de três cabeças, Cérbero. Hécate, assim como Lilith, representa na cultura grega a vida noturna e a rebeldia da mulher sobre o homem.
Nos dois últimos séculos a imagem de Lilith começou a passar por uma remarcável transformação em certos círculos intelectuais seculares europeus, por exemplo, nal iteratura e nas artes, quando os românticos passaram a se ater mais a imagem sensual e sedutora de Lilith (ver a reprodução do quadro Lilith de John Collier, pintada em 1892, postada a cima do artigo), e aos seus atributos considerados impossíveis de serem obtidos, em um contraste radical à sua tradicional imagem demoníaca, noturna, devoradora de crianças, causadora de pragas e vampirismo. Lilith também é considerda um dos Arquidemônios símbolo da vaidade.
O mito de Lilith pertence à tradição dos testemunhos orais reunidos nos textos da sabedoria rabínica. Lilith é um arquétipo da tradição judaica, e não da tradição cristã. No Talmud (texto da sabedoria hebraica) ela é a primeira mulher de Adão e mostrava-se inconformada de ter de ficar submissa a ele, que se mostrava inflexível em transgredir essa ordem patriarcal. Lilith é expulsa, se revolta e vai embora. Voa até o Mar Vermelho, onde habitam os demônios, e fica com as bestas e os animais que rastejam. Para muitos autores, como Sicutteri no livro “Lilith, a Lua Negra”, o mito forma parte dos grandes mistérios da Lua em relação à mulher. É a Lua ausente, são os três primeiros dias da Lua Nova, quando não existe claridade no céu, o mistério, o feminino identificado com a morte, o prazer dos sentidos, a transgressão do mundo patriarcal da lei e da norma, é o que deve ser banido, castigado e exilado. Lilith representa não um erotismo vulgar, mas uma grande força de transmutação, a possibilidade de se libertar e de dizer não as situações de abuso e de desrespeito. Cultivar Lilith revela o conhecimento de nosso lado sombrio, as dificuldades com os limites, o aprendizado para nos tornarmos seres adultos e autodeterminados.
Segundo Carl G. Jung “uma palavra ou uma imagem é simbólica quando implica alguma coisa além de seu significado manifesto e imediato. Esta palavra ou esta imagem tem um aspecto inconsciente, mas amplo, que nunca é precisamente definido ou de todo explicado”. Lilith se encaixa perfeitamente nesta visão jungeana de complexa simbologia mística, onde o inconsciente é manifestado em todas as suas expressões.
Lilith simboliza a sombra citada por Jung, que muitos preferimos evitar, mas que é imprescindível para a integração da nossa personalidade como forma de nos tornarmos adultos e assumirmos as escolhas pela nossa existência. Não podemos esquecer que Lilith desafia a ordem e paga um preço por isso. A segunda mulher de Adão foi Eva, moldada de acordo com o modelo patriarcal, submissa e cordata. Ambas, Lilith e Eva, são aspectos do feminino que todas as mulheres devem aprender a integrar. Não somos exclusivamente Lilith nem somente Eva.
Lilith é a noite, é a rainha da noite, é a lua, representa a lua, a oposição do sol. Lilith foge da luz, como uma vampira, precisa reinar nas trevas como algo desconhecido e que causa medo nas criaturas.
Lilith é a mulher livre, independente, soberba em curvas sensuais e provocantes, é a dançarina do ventre, logo seduz o homem por dominar a fraqueza deste com seu poder maléfico de sedução. Lilith é o vaso, o homem é a semente!
Demônio ou Deusa? Com certeza Lilith é um símbolo de mulheres decididas, que não aceitam serem submissas aos homens.

4 comentários:

Marcelo Bueno disse...

Cigana Maria Rosa,

Parabéns mais uma vez pela excepcional explicação. Realmente elucidar um conto, é muito revelante para reflexão.
Tão importante quanto tentar compreender a história por trás dos mito, é ser capaz de usá-la para um propósito bom em nossos dias.

Obrigado por mais uma informação.

Sucesso sempre.

Marcelo Bueno

Anônimo disse...

porfavor sou medium sensitiva e numa noite dormindo um cigana me apresentou uma cigana mas era meu rosto mas ele dizia sua cigana e lilith porfavor se puder entrar em contato comigo e se tiver algo que saiba mas dela agraceço boa noita ana paula

Maria Rosa Cigana disse...

Querida, você deixou um e-mail que quando envio a resposta ele retorna com fail system. Reveja o e-mail que você deixou ou pode se identificar também.
Abraços.

Sonia Lopes disse...

Lindo texto explicativo e histórico.Toda mulhe tem im pouco dessa DEusa que ciltuo e respeito muito.Grande abraço e parabéns!